Páginas

sábado, 18 de abril de 2020

britt-marie esteve aqui


"É mais fácil ficar otimista se você nunca precisa limpar a sujeira depois."

Pensem em uma pessoa louca por limpeza. Metódica toda vida. Pois assim é Britt-Marie, uma mulher de 60 anos que vivia em função do bicarbonato de sódio, produto que não economizava no dia a dia. Outras manias de Britt eram a arrumação dos talheres, que precisavam estar na ordem correta (a que ela acreditava, claro) e as listas (nada poderia ser feito se não tivesse sido planejado e incluído em seu caderno). No decorrer da leitura, vamos descobrindo os motivos que fizeram com que ela se tornasse essa pessoa que preza pela rotina. Praticamente só conhece o bairro em que mora. Nunca teve um emprego que não fosse cuidar da própria casa e do marido, que nitidamente abusa de sua inocência. Até que descobre que ele a trai. Na verdade, é algo que já desconfiava, mas preferia não encarar, mas eis que o cara sofre um infarto e no hospital ela se depara com a amante. Até para Britt-Marie isso é demais. Ela arruma suas coisas, sai de casa e vai parar em uma cidadezinha na Suécia esquecida por todos e completamente falida por conta da crise econômica (situação enaltecida por todos os moradores).

É muito difícil não gostar dessa personagem criada pelo sueco Fredrik Backman. Ao mesmo tempo em que é metódica e cabeça dura, ela é fofa. Quando vai fazer alguma crítica, estuda minuciosamente as palavras de modo a não ofender o interlocutor. É óbvio que não funciona e, talvez, justamente por isso todos acabam se apegando a ela que, por sua vez, segue preferindo a solidão e certa ordem na nova vida. Mas o destino realmente queria que ela mudasse e vai colocar em seu caminho um time de futebol de adolescentes rebeldes. Sem entender absolutamente desse esporte, caberá a nossa protagonista ser a técnica da inusitada equipe. Livro leve, divertido (dei muitas risadas) e com várias passagens inspiradoras, que vão nos deixar a pensar sobre as mudanças que também precisamos fazer.


"Quantas emoções puras nos fazem gritar alto, sem o menor constrangimento?"

"O futebol obriga a vida a continuar. Sempre há uma nova partida. Uma nova temporada. Sempre há um sonho de que tudo vai ficar melhor. É um esporte que faz maravilhas."

"Os talheres devem ser arrumados como sempre foram, porque a vida deve continuar sem alterações." "Algumas pessoas não entendem o valor das listas, mas Britt-Marie não é desse tipo. Tem tantas listas que precisa manter uma lista distinta relacionando todas as listas. Caso contrário, qualquer coisa pode acontecer. Ela pode morrer. Ou se esquecer de comprar bicarbonato de sódio."

Nenhum comentário:

Postar um comentário