sábado, 7 de dezembro de 2019

a pequena livraria de sonhos

 



“Ler é existir na história.”


A pequena livraria dos sonhos”, de Jenny Colgan, é uma homenagem a todas as leitoras e leitores. Certamente, quem gosta de livros vai se identificar com algumas passagens da protagonista. No meu caso, ainda me identifiquei com a paixão que ela tem pelo frio. Talvez até por ser um momento ainda mais aconchegante para termos junto de nós um belo romance.

“Se você não tem lareira em casa, serve uma vela. Quando vai chegando o inverno, já começo a sonhar com o aconchego de uma lareira e um bom livro - quanto maior, melhor. Nada melhor do que um romance bem, bem longo, uma caneca generosa de chá ou uma taça de vinho.”

Nina mora em Birmingham, na Inglaterra, é bibliotecária e sua grande ambição é ler cada vez mais. Até que anunciam que a biblioteca em que trabalha vai fechar e apenas alguns funcionários serão remanejados para outro lugar, uma espécie de centro tecnológico. Ela até tenta participar do processo seletivo, que inclui todas aquelas entediantes dinâmicas em grupo e entrevistas para saber se você é o candidato ideal. Desesperada por ter que fazer parte de um mundo com o qual não se identifica, Nina, que nunca havia feito nada de diferente, surpreende a todos ao tomar a decisão de se mudar para a Escócia. Claro que não é nada fácil. No meio de tudo isso há dilemas, enrolações e um certo empurrão da amiga com quem mora e que já não suporta mais os inúmeros livros que Nina leva para casa. Resultado: ela vai parar em terras escocesas dentro de um furgão, que transforma em uma linda e fofa livraria, daí o título do romance.

Bem, dá muita vontade de passear com Nina em sua livraria itinerante. Ela sabe exatamente o tipo de livro que o leitor precisa, a cura para seus males, algo bem na linha de “A senhora das especiarias”, de Chitra Banerjee Divakaruni. Ou daquele lindo filme Chocolate, do sueco Lasse Hallström, que traz Juliette Binoche e Johnny Depp. Ambos trazendo espécie de feiticeiras do bem que com especiarias e doces ajudam a vida dos infelizes. De certo modo, é o que Nina faz. Obviamente, ela própria vai precisar de ajuda quando encontrar alguns amores pelos caminho. Aliás, fiquei encantada com a forma com que ela e um pretendente trocavam mensagens perto da linha de trem: por meio de livros presos na árvore. Lindo. Nem preciso dizer que o fim é previsível e que a história não tem nada de extraordinário, mas me deixou doida para revisitar a Escócia, um dos locais mais belos que já vi. E, quem sabe, também ter meu próprio espaço de incentivo à leitura.

“Nina sempre fora uma pessoa quieta e isolada, e observava o mundo através dos romances que adorava ler.”

“Algumas pessoas passam a vida inteira sem conseguir tomar muitas decisões, sem querer se comprometer, sempre com medo das consequências de tentar algo novo.”

“Nina amava os dias úmidos e frios de inverno; gostava de se sentar perto do aquecedor e ficar ouvindo a chuva lá fora fustigando o vidro da janela.”

“Na maior parte da vida, o mundo lá fora era apenas algo do que se proteger enquanto ficava em casa com um livro.”

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

dias de abandono




"O futuro, de certo ponto em diante, é somente a necessidade de viver o passado. Refazer imediatamente os tempos verbais."

Fazia tempo que não me sentia tão incomodada com um livro. Acredito que a última vez que eu tenha me sentido tão mal tenha sido após a leitura de "Timoleon Vieta volta para casa", de Dan Rhodes. E pelo mesmo motivo: abandono de cachorros. 


Tudo bem que este não era o foco principal de "Dias de abandono", de Elena Ferrante. Contudo, foi o que mais me atormentou. Trata-se do fluxo intenso de pensamento de Olga, após a decisão do marido de deixá-la. Como a narrativa é única e exclusivamente sob seu ponto de vista, só conhecemos suas razões. O fato é que está na cozinha, em um dia normal, as duas crianças brincando, o cachorro dormindo, ela e o marido conversando e eis que ele anuncia que está indo embora. Pronto. O caos é instaurado. Quem já passou por rompimento amoroso sabe a dor que se sente diante da rejeição de alguém em quem depositamos sonhos e expectativas. Passamos por um período de luto, muito bem definido por Alain de Botton em "Ensaio de Amor" (super recomendo!). Mais ou menos assim: dor intensa, queremos morrer. 

Depois vem a revolta e nos questionamos por que perdemos tempo com tal pessoa. Se surgir outro crush, a coisa é mais fácil de se resolver e vida que segue. Mas, no geral, ninguém morre por isso. Eu disse no geral. Porque no caso da nossa protagonista o que temos é definitivamente o seu real abandono. Ela simplesmente desiste de tudo. Praticamente se arrasta pela casa remoendo o tempo que passaram juntos, sua vida dedicada somente a cuidar do marido e filhos, o fato de não ter seguido com o que gostava, em detrimento da escolha pela vida em família. "Eu tinha tirado um tempo que era meu para somá-lo ao seu e fazê-lo então mais potente." Os filhos e o cachorro viraram um estorvo. Não consegue dar conta das coisas mais corriqueiras como, por exemplo, ir ao banheiro. Há um trecho em que ela "se alivia" no bosque, após caminhar de camisola e pantufas. Os filhos, de aproximadamente 6 e 10 anos anos, têm que se virar sozinhos. O cachorro, coitado, é ignorado. E nas poucas vezes em que ela resolveu passear com ele eu gelava. Já via o bicho sendo atropelado por displicência. Eu não estava tão errada. Algo terrível vai acontecer com Oto. O pior é que ela, no ápice de sua letargia, não vai conseguir ajudá-lo. Aí eu acelerei a leitura, da forma mais dinâmica possível, para evitar ler os detalhes da situação em que ela se colocou, colocou os filhos e, infelizmente, o pet. Em tempo: sim, o marido foi um tremendo canalha. 

“Uma tarde de abril, logo após o almoço, meu marido me comunicou que queria me deixar. Fez isso enquanto tirávamos a mesa, as crianças brigavam como sempre no outro cômodo, o cachorro sonhava resmungando ao lado do aquecedor.”