sexta-feira, 21 de março de 2014

o último livro


Comprei o livro na promoção. Estava lacrado e pouco vi sobre o conteúdo. Foi mais a curiosidade do que seria este tal último livro. E gostei. É a primeira vez que me deparei com a literatura sérvia. Mal terminei e já encomendei outro livro do autor, Zoran Živković. “O último livro" é um romance policial que traz todas as características e personagens do gênero: morte misteriosa, inspetor/detetive, mocinha que faz par com ele e vários suspeitos. Mas aqui é adicionado outro elemento, o universo fantástico. Até o fim do texto imaginei que algo racional pudesse explicar o que estava acontecendo. O porquê de as pessoas morrerem ao entrarem em contato com o livro misterioso. Contudo, não é sempre que temos explicações plausíveis para tudo. O romance foi lido em poucas horas e tudo o que eu queria era visitar a livraria Papyrus ou tomar o chá de figos no salão que nos é apresentado. Curiosamente, é o segundo livro este mês que leio com a ideia de duplo. De que podemos estar aqui e lá ao mesmo tempo. ‘Noturno Indiano’, de Antonio Tabucchi, foi outra leitura do gênero.

A narração é feita por Dejan Lukic, inspetor encarregado de decifrar as mortes que acontecem, sem explicação, na Papyrus. Desde o início o ambiente é apontado como inusitado, porém aconchegante. As donas orgulham-se de ter nas prateleiras somente literatura séria, o que pode ter atraído figuras excêntricas à loja. Como o matemático que faz anotações sobre os volumes que consulta aleatoriamente e a mulher que os reorganiza de forma que só ela entende.

Mas os clientes começam a morrer. Lendo. Simplesmente apagam. Sem indício de violência ou mal súbito. Cabe a Lukic descobrir o que acontece. E ele faz o trabalho com a sensação de já ter lido tudo o que está a ver naquele momento. É um déjà lu, ou "já li isto". Seitas e sonhos que se confundem com a realidade também fazem parte do enredo. Em muitos momentos me veio à mente o '1Q84', de Haruki Murakami, com suas duas luas a nos confundir. Mix de policial e fantástico que me deixou querendo mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário