quarta-feira, 20 de novembro de 2013

de repente, nas profundezas do bosque


"De repente, nas profundezas do bosque"
, de Amós Oz, pode ser lido em uma hora. O livro, que beira a literatura fantástica, traz uma fábula sobre como nos relacionamos com o outro, com a natureza e com os animais. Imagine uma aldeia onde não existe bicho algum? Lá a ideia do que é animal passa somente pela oralidade e pelos rabiscos de uma professora. E pelas lendas que envolvem o bosque vizinho, local proibido e temido. Porém, duas crianças vão descobrir que mitos podem ser reais, mas não da forma com que são descritos. Li este livro numa tarde ensolarada, como a de hoje, há seis anos. Hoje o resgatei e o indico a todos que apreciam boas histórias, sonhos e a tolerância.

"Alguns animais até desenvolveram certas expressões que parecem quase uma oração: são palavras especiais de agradecimento pela luz do sol, e outras em louvor aos ventos que sompram, às chuvas, à terra, à vegetação, à luz, ao calor, ao alimento, aos aromas e à água. E há inclusive palavras de saudade. Mas em nenhum idioma dos animais existem palavras cuja intenção seja rebaixar ou debochar. Isso, não."

Nenhum comentário:

Postar um comentário