quinta-feira, 27 de agosto de 2015

bruxa da noite e feitiço da sombra

Sabe a sensação de tempo perdido? Pois ela só não foi maior por conta das paisagens irlandesas. As capas da trilogia "Primos O'Dwyer" de Nora Roberts são lindas. Mas é só. Parece que Nora designou o trabalho a seus estagiários (sem ofensa aos estagiários). Na verdade, eu li os dois primeiros volumes porque precisava de uma leitura leve e ambos me foram emprestados, juntos, com este propósito. O terceiro ainda não chegou ao Brasil, mas já dei uma olhada em alguns comentários no site da Amazon e posso dizer que já sei o final. Quem sabe eu não o leia em inglês para fechar o ciclo e ver se a escrita é mesmo ruim ou se a tradução para o português brasileiro é que foi péssima, com vocabulário pobre. Vale dizer que os livros um e dois estavam cheios, mas cheios de erros de revisão. Como trocar prima por primo e avó por bisavó. Apenas para citar alguns deslizes que percebi mesmo sem ter tido acesso ao texto original. Fora os erros de português e de digitação. Uma pena, pois sei que muitas pessoas estão lendo essa série, que fala sobre bruxas e bruxos.
 

"A bruxa da noite" é o primeiro. A história começa lá em 1200 com uma bruxa que só pensa no seu 'homem'. É um tal de meu 'homem' pra cá, meu 'homem' pra lá que irrita. O homem morre, a mulher vai lutar com Cabhan, o bruxo que o matou, e perde, deixando três bruxinhos órfãos no mundo. 
 
Eles reencarnam nos dias atuais. Agora são dois irmãos irlandeses, Branna e Connor. Para se juntar a eles, surge do nada, enviada pela avó bruxa (rá!) a norte-americana Iona. Chata, intrometida e metida a falar o que pensa, o que para mim é desculpa para o fato de ser folgada. Sem rodeios, vai morar na casa dos supostos primos-irmãos de outra era, arruma também um 'homem', o não-bruxo Boyle, e por lá fica aprendendo feitiços. Há ainda um quarto bruxo, o Finn, e mais uma não-bruxa, a Meara. 
 
Seis amigos que passam o dia comendo, bebendo e pensando em maneiras de destruir Cabhan. Fiquei o tempo inteiro torcendo para que um deles fosse do mal e desse um pouco de surpresa à história. Mas que nada. Tudo como previsto. Esse primeiro volume, além de apresentar os personagens, foca no romance da mala da Iona com o sem graça do Boyle. Melaço. Amor à primeira vista, desentendimento por frescura da mocinha e final feliz.

Claro que, apesar das lutas, voos e cantos, o bruxo do mal não sucumbe, surgindo firme e forte no segundo volume. Os mesmos bla bla bla. Feitiços. Vinhos. Cervejas. Refeições para seis feitas a todo momento pela coitada da Branna, a mais agradável dos seis. Bem, o Finn, que quase não abre a boca, também é simpático. Em "Feitiço da Sombra" o foco amoroso vai para Connor e Meara. Mesmo melaço. Sei que "Blood Magick" vai falar de Branna e Finn. Esqueci de dizer que ele descende do Cabhan. Talvez alguma reviravolta, mas como disse antes, já vislumbro o final e não há esperança para ele ser o vilão disfarçado. So sorry.
 
Gostei muito dos animais, o cachorro de Branna, o gavião do Connor e o cavalo da insuportável Iona. Esse, sim, um trio que merece todo o meu respeito ;-)

Nenhum comentário:

Postar um comentário