domingo, 22 de junho de 2014

o xale


"O xale" é a reunião de dois textos da norte-americana Cynthia Ozick: o que deu nome ao livro e 'Rosa'. Eles foram publicados no começo dos anos 80 na revista The New Yorker. Embora tenham sido divulgados em separado, eles se completam. Falam sobre o nazismo, o holocausto dos judeus e a dificuldade de seguir adiante. No primeiro, Rosa, uma jovem mãe, usa seu xale para proteger a filha do inverno polonês. Com a menina no colo e a sobrinha ao lado, segue a fila rumo ao campo de concentração. Em seus delírios, o tecido é mágico, capaz de alimentar a criança. Até que ele é roubado, deixando a menina na mira dos nazistas. Na segunda narrativa, mais de trinta anos se passam e Rosa está nos Estados Unidos, ainda agarrada ao xale, símbolo de sua última esperança, e ao passado que antecede à captura de sua família. 

O tema já rendeu diversos livros e filmes. O que difere os textos de Cynthia Ozick é o depois, muito depois da guerra. Rosa sobreviveu, mas não quer ser vista como alguém que escapou. Porque, para ela, ainda está presa. "Pra mim, só existe um tempo; não existe depois", diz ao fugir de qualquer aproximação e conversa 'fiada' que tenta mostrar que ela precisa esquecer, aproveitar a vida. Difícil ler o livro sem me lembrar das cenas de "A vida é bela", minha referência para o cenário da primeira narrativa. A capa do livro traz o arame farpado que vai mostrar que Rosa pode estar certa. O cárcere é perpétuo, afinal. "Sem uma vida, a pessoa vive onde elas podem. Se tudo que elas têm é pensamentos, é lá que elas vivem."

Trechos

"Rosa não sentia fome; sentia-se leve, não como quem está andando, mas como quem está desmaiada, em transe, sem sentidos, como quem já é uma anjo flutuante, alerta e vendo tudo, mas no ar, sem estar realmente ali, sem tocar a estrada."

"Repare também na palavra especial que eles usaram: sobrevivente. Aquilo era novidade. Desde que que não tivessem que dizer ser humano, para eles estava bom."

2 comentários:

  1. Tal qual a raposa sombria, tb fiquei louca para ler este, rende bons artigos científicos, sou professora de Literatura e doutora em Letras, adoro ler e fazer resenhas.... vc escreve bem, aguça a ciriosidade de seus leitores e aborda pontos críticos do que está comentando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! E que bom que gostou de ler os dois livros. São muito bons!! Por favor, depois me conte sobre sua tese :-)

      Excluir