quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

na liquidação: uma pechincha de marido

“Não posso perder o marido. Foi muito difícil achar um. Ele me custou R$ 119,00!” Esta frase surgiu enquanto Pricila Varela separava os materiais para uma viagem de trabalho e explicava por que teria que voltar logo. Seu destino: Fortaleza. Tratava-se de reunião na qual teria que ficar praticamente um fim de semana longe de casa. Sua preocupação maior era o marido, que não ficou contente com o trabalho externo. “Ah, ele não gostou. Chiou. Tenho que voltar no sábado mesmo, assim que acabar o evento.”

Tanta insegurança tem um motivo. Pricila, assim como muitas moças afoitas por um par, vinha de várias buscas e iniciativas frutadas.


Ela queria casar. Não economizava nas promessas e simpatias. Santo Antônio já deveria estar abdicando da criança que lhe foi tirada, tamanha era a pressão.

Na verdade, ela era divorciada. Casou nova. Tinha apenas 20 anos. Mas o rigor militar não combinou com seu jeito espontâneo, extrovertido e falante. Aliás, muito falante. Resolveu abandonar a farda, ou melhor, o marido que era das forças armadas, e partir para a carreira solo. Depois de um tempo curtindo a vida de recém solteira, estava no mercado novamente. Com o passar do tempo e nada acontecendo, o desespero começou a rondá-la.

Jornalista de formação e profissional de relacionamento por vocação e experiência, Pricila cuida do intercâmbio de informações entre os associados da empresa em que atua. Lá todos a conhecem. Por onde passa, despeja sorrisos e conversas.

Mas o cara perfeito, ou mesmo que um pouco imperfeito, não aparecia. Estava, como costumam dizer por aí, a perigo. Pedia ajuda a todos. Aos amigos. Aos amigos dos amigos. E nada. Vendo sua situação, uma amiga sugeriu que ela entrasse num site de relacionamento.

- Eu não acredito nestas coisas. Isto não dá certo.

- Neste você pode confiar. É ótimo.

- E você está nele? 

- Não.

- Viu? Nem você confia!

- Mas é que não tenho tempo nem paciência para preencher o cadastro de afinidade.

E o papo morreu. Até que chegou outro sábado à noite. Os solitários de coração costumam dizer que é aí que mora todo o desamparo. “Estava completamente desesperada! Resolvi tentar o site. Afinal tinha tempo de sobra para preencher o tal questionário, que realmente era muito extenso e detalhado.”

Quando terminou de inserir seus dados, logo começaram a chegar respostas dos possíveis pretendentes. Mas ainda havia outro passo: pagar. “Ah, eu não queria pagar, mas ao mesmo tempo fiquei super curiosa para ler o que estava chegando. Sem pagar eu não conseguia entrar nos perfis.”

Sem cartão de crédito, pediu ajuda à irmã. Explicou toda a história e deu prosseguimento àquela que seria sua história de amor.

“Na verdade, quem paga o cartão da minha irmã é minha mãe. Quando ela viu o valor, foi logo perguntando do que se tratava. Minha irmã simplesmente disse que eu havia comprado uma bolsa”, diz Pricila rindo e comentando que ainda deve este valor à matriarca.

Vieram várias propostas. Chegou até a sair com um publicitário. “Todos os contatos foram muito sérios”, faz questão de enfatizar. Mas nada vingou. Até que surgiu Armandinho.

Chegou testando sua inteligência. O e-mail que ele mandou precisava de alguns passos antes que pudesse ser aberto. “Esse Armandinho...”, suspira.

Proativa e sem querer perder tempo, Pricila, entre um e-mail e mensagem no MSN, foi logo dando o telefone da sua casa. “Ele ficou desconfiado. Achou que eu era muito precipitada. Mas eu não podia ficar ali só teclando e teclando.”

Poucos dias depois foi ganhando a confiança do moço, que lhe deu o telefone da casa e do trabalho. Numa tarde, mais uma vez a proatividade ganhou. Pegou o telefone e perguntou o que ele iria fazer no fim da tarde.

- Nada.


- Então vamos tomar um café?

Combinado. E lá foram eles para o primeiro encontro, que foi sucedido por um almoço, por um jantar e, quatro meses depois, por um apartamento compartilhado. “Ele vive dizendo que me pegou numa liquidação”, conta, lembrando o valor pago para entrar no site de relacionamento.

“Agora só falta o pedido oficial de casamento. Com anel e tudo mais”, fala com os olhos brilhando e abraçando os dois banners enrolados que vão para Fortaleza com ela.

Moças, o negócio é pechinchar!

Romero Brito

Um comentário:

  1. Katia esse texto foi um presente para mim....essa historia e meu sonho realizado. Um grande beijo

    ResponderExcluir